quarta-feira, 4 de junho de 2014

Eleições 2014 - a guerra contra o Curruptus-impunescolariuns brancus

Infelizmente, idêntico ao aborto das eleições 2010, o tema maçante como promessa eleitoral para 2014 será a redução da maioridade penal, combinada com aplicação de punições mais severas. Com tantas necessidades aterrorizando o povo brasileiro (educação, saúde, mobilidade, segurança, agressões ao ambiente, etc) e lá vem os/as oportunistas explorar a estúpida fixação nos efeitos! O que alimenta a violência não é a falta de leis, mas a explícita incapacidade de ressocializar do sistema medieval prisional e viciado vigente, e claro, a justiça que não alcança os assaltantes do erário.

Recentemente noticiaram que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot informou que quase metade do Congresso tem pendências criminais; alguns processos blindados com o “segredo de justiça”, o que pode ser entendido como facilitador à impunidade histórica, que ainda conta com o apoio da imunidade parlamentar e o foro privilegiado. Quase ninguém teve acesso acesso a essa informação do Janot, ao contrário da enxurrada de noticias que surgem reforçando à redução da maioridade penal.
  
Há tempos que o Brasil figura entre os países que apresentam aumento contínuo da população carcerária; e não é por falta de leis, elas existem, mas tão somente porque não há interesse dos legisladores em esmiuçar as causas. Se esmiuçasse, certamente seria identificado o agente viral causador, não somente da violência, mas também do ineficaz sistema público de transporte, o Curruptus-impunescolariuns brancus, também responsável por aquela obra do hospital que já levou milhões e só apresenta o esqueleto alicerce. Mas ficam só nos causas, e o pior: responsabilizando jovens que sequer  muitos nem endereço têm endereço. Que noção de civilidade quer cobrar o Estado, do futuro que mal tem passado, que dirá presente, sem nem família o tem? O Brasil, acredito, deve buscar políticas que levem à aplicação de uma educação transformadora, e não de políticas aterrorizantes que negam cidadania ao seu povo.

Em vez de penas mais duras ou redução da maioridade penal, o tema oportuno, principalmente pós-mensalão e outras aberrações, bem que poderia ser o fim da imunidade política e do foro privilegiado; o compromisso eleitoral chave para 2014. Propostas que certamente não entra na cartilha dos que buscam reeleição. Pois se as tivessem já teriam apresentado. 

Enfim, acreditando que problemas complexos são solucionados com ações simples, busque fugir dos efeitos que levam ao modismo eleitoral de 2014 para que responda: quem mata mais? O jovem sem habitat que aperta o gatilho no semáfaro, ou aquele/a que desviou o dinheiro da creche pública, que garantiria apoio a criança enquanto pais saem à luta?

Nenhum comentário: