sexta-feira, 6 de março de 2009

Não existe filtro entre o que é processado em meu cérebro e o que sai por meio da minha fala

Alguns talvez encontrem dificuldades em compreender a troca de mensagens abaixo. A essência do conteúdo se baseia em resposta à política ilúsória reinante, principalmente, pelas bandas de meu querido estado do Espírito Santo, que parece ter estacionado à época das capitanias hereditárias.

Pelas bandas de cá, político derrotado nas urnas, na manifestação democrática do voto, é agraciado com cargos em outras esferas das diversas formas de Poderes, tudo pela costura das eleições que acontecem a cada dois anos, embora, contudo, as coisas permaneçam como d'antes: com imperadores, príncipes, súditos, ou melhor, vassalos de um sistema fálido, chamado de democracia brasileira.

O que segue, é minha resposta ao convite (deletado na visulaização da caixa de entrada) feito pelo ex-vereador de Vitória, agora Secretário de Estado, Luciano Resende. O texto é o desabafo ao e-mail enviado com fotos e a falácia típica do êngodo político brasileiro de se fazer democracia.

A mensagem de "agradecimento":
Prezado(a) amigo(a),

A nossa posse ontem foi um evento que me emocionou... segue, abaixo, as fotos e cobertura jornalística.

Mais de 1000 pessoas passaram por lá. O trânsito no local chegou a parar e tive que andar com o meu pai e com o Roberto Freire, por quase um kilometro, subindo ladeiras, para chegar ao Palácio do Governo. Agradecimento especial aos dois, que já entraram no "clima" da pasta dos Esportes.

Mais notícias da posse e da secretaria no site


Obrigado pela força e bom dia,

Luciano Rezende


Resposta:
Prezado agora Secretário Estadual de Esportes e lazer, Luciano Resende, as fotos ficaram boas. Parabéns para você, embora, contudo, meu pensar vai um pouco além das lentes fotográficas; tenho uma memória privilegiada, a qual me proporciona fazer comparativos com o antes e o depois; vai mais ou menos ao encontro do: "o futuro repetir o passado, um museu de grandes novidades, e o tempo não pára", nós é que estacionamos, permitimo-nos anestesiar, com o bombardeio midiático...

Diante de todo esse assombro, da quase extinção dos valores básicos que se esperam da sociedade do século XXI, só me resta lamentar na forma que eu ainda tenho força: a escrita, o desabafo no ajuntamento de letras que formam os gritos presos no meu coração, resultante desse observar da humanidade. E já que sua pasta, observa o lazer... Por favor, menos porto, e mais qualidade de vida, estreite a relação com a Secretaria do Meio Ambiente (Seama). A instalação de complexo portuário ou similar no local do presídio que não implodiu, poderá comprometer o estuário do mangue de Aribiri.

O povo de Vila Velha, assim como o de Vitória, ficariam felizes em ver a criação de um parque/reserva naquele local. A Baía de Vitória tem uma linda geografia, devendo ser melhor apresentada aos olhos dos habitantes e dos turistas que por aqui passam; ajude dar um basta nas sucatas flutuantes que se proliferam, boiando nesse belo cartão postal, que aliás, só é belo porque ainda não inventaram fotografia com cheiro, ou melhor fedor.

Dia desses publicaram um texto de minha autoria (Castelo de Abrantes) que reflete, mais ou menos as coisas capturadas na minha retina e que são processadas no meu cérebro.

Conforme pode comprovar, gosto do ajuntamento das letras, mas o trabalho me chama. No mais, que todos tenham sucesso com sua gestão, que ela não sirva para poucos.

Fernando Magno
Vitória-ES