quinta-feira, 7 de maio de 2009

Mãe

Mãe querida desculpe, nós, filhos do pai dinheiro, do pai poder. Não percebemos suas dores há centenas de milhares de anos. Desde que aqui chegamos, matamos uns aos outros, sem distinção. Muitos nunca mais poderão perpetuar sua espécie, por terem sido extintos, aniquilados, varridos de sua eterna gestação.

Na sua dor Mãe, as feridas estigmatizadas, segundo pensadores filhos teu, são originadas na própria essência dos filhos acolhidos: o homem é mau por natureza, egoísta, invejoso. Busca desejos que surgem à medida que se conquistam outros, logo deixados de lado, para que a destruição permaneça na abstração da busca nunca alcançada, pois esquece de vasculhar a própria essência.

Mãe, as vezes fico tentando buscar motivos que justifique os atos insanos de filhos poderosos, que usam todo o conhecimento para testar armas de destruição da própria espécie; atravessando com a lança da insanidade o seu generoso coração, que já não bate como no início, vendo todos os filhos acolhidos correndo por seus campos, matas, vales, rios e cachoeiras. Quantos buracos ainda farão em seu aconchegante corpo para testar o poder da destruição atômica?

É Mãe, lembra do seu filho Gagari, que quando a viu lá das alturas pela primeira vez e disse a todos que ficaram que você é azul?

Muito tempo já se passou desde então; guerras e testes nucleares ocorreram em virtude da natureza maldita de filhos que pensam que o rompimento do cordão umbilical representa o desligamento materno, sem ter a noção, que mãe, biológica ou não, sofre mesmo a distância.

Perdoe Mãe seus filhos políticos, que dilaceram suas entranhas para sugar as sobras de sua energia, mesmo estando cientes de que corres perigo de morte; eles, por ignorân$$ia não percebem que seus tremores e sua febre são efeitos colaterais dessa sociedade autodestrutiva.

A todas as mães, biológicas ou não, meu profundo carinho. Que o amor doado, ajude a resgatar as outras essências humanas esquecidas; a essência do amor, da compaixão e da solidariedade.

5 comentários:

Edu Silvestre disse...

Amigo Fernando. Como sempre trabalhando as palavras, fazendo com que as mesmas resultem em mais um brilhante texto. Parabéns por esse dom e de usá-lo de forma a exercitar nosso tão esquecido senso critico.
Abraços!

Telma disse...

A maternidade é a coisa mais linda e maravilhosa de sentir, e como você bem expressou em seu texto, não é preciso gestação nem parto... Brilhante o texto, és um exímio "arranjador de palavras", dotado de senso crítico sócio-político e de uma latente sensibilidade... O pulso ainda pulsa, como diria Arnaldo Antunes, e sinto isso nos teus escritos... Ainda existe o perfeito casamento entre senso crítico e sensibilidade, desprendido de comprometimentos e passionalidades individuais (o teu censor não é comprometida com nenhuma cla$$e, como vc bem gosta de ilustrar)...
Parabéns pelo texto, parabéns pela alusão ao dia (tdos eles são) das mães, pelo blog, e pela perseverança, que aumente sempre, nunca decresça.

Dofo disse...

Fernandão que coisa linda cara! Não sei se elogio seu texto ou reflito sobre a mensagem. Com certeza você recomendaria a segunda opção! É isso cara, nossa mãe não aguênta mais, aliás, aguênta, pois é mãe.

Innocent Dream disse...

Amigo querido, parabéns!
Você tem O dom. Gostaria de conseguir externar, dessa forma, os meus (iguais) sentimentos. Parabéns, também, ao bicho homem, o racional, o único que pensa, o único que destrói tudo aquilo que toca, o único que mata por prazer!

Daniel disse...

IMPACTO PROFUNDO !
Além de brilhante, sensível, lindo e exímio "arranjador de palavras", acrescento aos elogios... emocionante...
Suas palavras me remete como num flash, as grandes mazelas da atualidade, condensadas com grande sabedoria em espaço tão pequeno, e com a emoção que vem do texto e do contexto, me entristeço, por acreditar que muito pouco, ou quase nada, deve mudar.
Quiçá, que, como na revolução de suas palavras, tivessemos também, uma revolução de atitudes...
Hoje, espiritualmente, um pouco mais fortalecido, creio que Deus tem um propósito para cada um...só Ele sabe os que estão reservados para você...mas, pelo menos um destes propósitos, acredito vislumbrar...Quando um dia Ele poupou sua vida, com certeza foi para preservar uma mente inspiradora, e usar o seu dom, para nos fazer refletir, e nos emocionar...é muito bom poder dizer,que você é da família...
Não sei o que tem feito tanto bem a você, para inspiração tamanha; será o aconchego dos braços da doce Raquel, ou o ar da montanha?
GRAAAAAAAANDE FERNANDO !!!!!